Digite o que você deseja buscar no site:


// CONCURSO PÚBLICO – DECISÃO DO STJ

CONCURSO PÚBLICO. NOMEAÇÃO. CRIAÇÃO DE VAGAS DURANTE A VALIDADE DO CERTAME.

A Turma, por maioria, entendeu que, se o edital dispuser que serão providas as vagas oferecidas e outras que vierem a existir durante a validade do concurso, os candidatos aprovados fora do número de vagas oferecidas – mas dentro do número das vagas posteriormente surgidas ou criadas – têm direito líquido e certo à nomeação no cargo público, desde que a administração não motive a não nomeação.

O Min. Relator destacou o entendimento do STF de que a Administração Pública tem a discricionariedade de identificar a melhor oportunidade ou conveniência para nomear o candidato – aprovado dentro do número de vagas oferecidas – durante o período de validade do concurso. Afirmou que, segundo o STF, o entendimento sobre os aprovados dentro do número de vagas não se estende a todas as vagas surgidas ou criadas durante a validade do concurso, mas apenas àquelas expressamente previstas no edital do certame. Por outro lado, o STF tem posicionamento de que a Administração Pública deve motivar a recusa em prover cargos vagos quando existentes candidatos aprovados em concurso público, não sendo suficiente para justificar a recusa a classificação do candidato, pois do primeiro ao último aprovado, todos foram considerados aptos pela Administração. No caso, o edital do concurso deixou claro que a seleção foi destinada ao preenchimento de sete vagas oferecidas, bem como daquelas que viessem a existir durante o período em que tivesse validade o certame. Após a realização do concurso, foram convocados os cem candidatos aprovados para o curso de formação. Durante a validade do concurso, foram nomeados os sete mais bem classificados, mais 84 aprovados que não passaram dentro das vagas, restando nove candidatos na lista de espera. Após as mencionadas nomeações, o órgão deixou de nomear os candidatos remanescentes ao argumento de que não havia vagas. Menos de seis meses após o fim da validade do concurso, o órgão lançou novo concurso para preenchimento de trinta vagas. Por não considerar crível a versão de que não havia vagas, visto que, seis meses depois, sem nenhum fato extraordinário, o órgão lançou novo certame, o Min. Relator entendeu que não houve motivação idônea para preterição dos nove candidatos remanescentes, pois a motivação apresentada foi rebatida pelas provas dos autos. Precedentes citados do STF: RE 598.099-MS, DJe 3/10/2011; RE 227.480-RJ, DJe 26/9/2008; RE 581.113-SC, DJe 31/5/2011; MS 24.660-DF , DJe 23/9/2011; do STJ: RMS 34.789-PB, DJe 25/10/2011; AgRg no RMS 26.947-CE, DJe 2/2/2009; AgRg no RMS 34.975-DF, DJe 16/11/2011; EDcl no RMS 34.138-MT, DJe 25/10/2011. RMS 27.389-PB, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 14/8/2012.


+ 6 = 13

  1. PAULO     16 de abril de 2013 @ 6:09

    PRESADO AMIGO. GOSTARIA DE DIZER QUE O TJSP MANTEVE A DECISÃO DE MINHA NOMEAÇÃO,MAS NÃO CONSIDEROU O PAGAMENTO DE VENCIMENTOS RETROATIVOS CONCEDIDOS NA PRIMEIRA INSTANCIA.O RELATOR CITOU CASOS DE CANDIDATOS JUGADOS PELO TJSP QUE TAMBEM NÃO CONSEGUIU TAIS VENCIMENTOS. OCORRE QUE OS CASOS CITADOS SÃO DIFERENTES DO MEU.FUI PRETERIDO EM DECORRENCIA DE RESTRIÇÕES IMPOSTAS PELO EDITAL (QUE O PROPRIO RELATOR CONSIDEROU IRRELEVANTE). CONSEGUI EXEMPLO DE CASOS SEMELHANTES AO MEU (PRETERIÇÃO) EM QUE CANDIDATOS CONSEGUIRAM TAIS VENCIMENTOS JULGADOS POR OUTRA TURMA EM FEVEREIRO DE 2013. O QUE DEVO FAZER OBRIGADO PELA FORÇA .

© Copyright Professor Gustavo Mello Knoplock . Todos os direitos reservados.