Digite o que você deseja buscar no site:


// REDISTRIBUIÇÃO DE CARGOS NO JUDICIÁRIO

Meus alunos têm me perguntado bastante, sobretudo nas minhas turmas para o concurso do TRE, se a REDISTRIBUIÇÃO de cargos prevista no Estatuto Federal pode ser aplicada no Judiciário, entre Tribunais diferentes.

O estatuto federal, lei 8.112/90, é aplicável a todos os três Poderes, mas não há dúvida de que as suas disposições se aplicam perfeitamente ao Poder Executivo e que, nos Poderes Judiciário e Legislativo, há certas particularidades.

O CNJ editou a Resolução nº 146, de 06/03/2012, disciplinando a redistribuição de cargos no Poder Judiciário, mostrando sim que o instituto se aplica ao Judiciário.

RESOLUÇÃO DO CNJ REGULAMENTA A REDISTRIBUIÇÃO DE CARGOS

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou resolução que disciplina a redistribuição de cargos efetivos dos quadros de pessoal dos órgãos do Poder Judiciário da União.
A proposta foi apresentada pelo conselheiro José Lúcio Munhoz, com objetivo de sanar questionamentos rotineiramente suscitados pelos tribunais. O texto foi fechado após consulta ao Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ), Tribunal Superior do Trabalho (TST), Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) e Conselho da Justiça Federal (CJF).
De acordo com o relator, a redistribuição por reciprocidade corresponde à “troca de cargos entre órgãos do mesmo poder, que ao tempo em que recebem um cargo, deslocam outro semelhante, para o fim de adequar os quadros e desde que ausente prejuízo à administração. Em outras palavras, constitui forma de ajuste de lotação de cargos de provimento efetivo”.
Entre as características que devem ser observadas para a aplicação do instituto da redistribuição de cargos, estão: interesse objetivo da administração, equivalência de vencimentos, manutenção da essência das atribuições do cargo, compatibilidade entre os graus de responsabilidade e complexidade das atribuições, mesmo nível de escolaridade, especialidade ou habilitação profissional.
O cargo vago só poderá ser redistribuído quando inexistir, no órgão de origem, concurso público em andamento ou em vigência para provimento de cargo idêntico. O cargo ocupado redistribuído não poderá ser objeto de nova redistribuição por um período de um ano.
Além disso, o cargo ocupado só poderá ser redistribuído se o servidor tiver, no mínimo, 36 meses de exercício no cargo a ser redistribuído e não estiver respondendo a sindicância ou processo administrativo disciplinar. A instrução de processos de redistribuição deverá incluir pareceres técnicos.

Patrícia Resende/CSJT

RESOLUÇÃO CNJ 146/2012


2 + 1 =

  1. Lonesome     25 de maio de 2015 @ 2:46

    I haven’t been commenting much lealty, and I apologize for that. I have to say that all of your posts about your weight loss is SUPER inspiring for me!!! I’m going to be heading to the doctor in the near future for thyroid testing, and if it’s out of whack I’m going to be headed on a similar diet change that you have undergone so it is just awesome to see that you’re having such great success with it!

© Copyright Professor Gustavo Mello Knoplock . Todos os direitos reservados.